segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

A educação e a juventude

Os jovens estudantes católicos, vivem nestes tempos hodiernos, uma espécie de perseguição em suas instituições de ensino. Não digo apenas, pelo conteúdo das disciplinas que é exposto, na sua grande maioria baseado nos ideais revolucionários, mas também socialmente, pois, infelizmente, a mocidade estudantil em sua grande parcela, vive hoje sob a ditadura do relativismo moral, aceitando tudo quanto se vê, e não formando opiniões e caráter, sob a desculpa de tornar-se um 'preconceituoso'.

Além disso, vemos que os movimentos estudantis modernos são quase em sua totalidade, de cunho revolucionário, onde impulsionados pelos professores marxistas, os estudantes sentem-se motivados a levar a diante ideologias medíocres, que por vezes, nem conhecem.

Este panorama, se dá numa decrescente escala da qualidade educacional, onde se percebe que o jovem se forma nas séries fundamentais e no ensino médio, com grandes lacunas no seu conhecimento, e isso, tratando-se das disciplinas usuais, como nossa língua vernácula, literatura, história e calculo (uma amostra desta realidade, temos nos vestibulares das universidades, que a cada ano, se tornam mais fáceis e com notas menores), isto sem comentar a educação moral e ética, algo que simplesmente sumiu de nosso cenário educacional, onde nas escolas e colégios, procura-se preparar para o ensino universitário ou para seu ingresso, e na universidade, procura-se apenas formar um mero técnico, um homem-máquina, que desempenhará sua especialização no grande emaranhado do progresso. Esqueceu-se, que o jovem, a pessoa humana, é um complexo que necessita muito mais que meras disciplinas técnicas para tornar-se um bom profissional. Bem, penso eu, qual o motivo desta decadência nos estudantes de nosso País?

O jovem hoje, já não conhece muito a palavra responsabilidade, ele é regido por direitos todo o tempo, em todo lugar vê-os estampados, mas de seus deveres, quase ignora-os por completo. Tem-se assim, um espírito de relaxamento, que vem permeando nossos jovens cada vez mais, que não se vê motivado e não entende o porquê da necessidade do ensino. Isto somando-se ao sistema educacional atual, e a falta da Religião e ensino moral, geram esta cadeia de problemas, que se não corrigido, tenderá a crescer cada vez mais.

No entanto, mesmo entre estes grandes problemas, vemos bons exemplos de jovens, que são como luzes em meio à escuridão de nossa juventude. Jovens estes, que acreditam em seus ideais, conhecem seus deveres, e lutam por nosso País e pelos princípios da Civilização Cristã, que estão intrinsecamente ligados à história de nosso povo. Bons exemplos encontramos na Frente Universitária Lepanto, e também em um grupo formado basicamente por jovens estudantes da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Grupo São Domingos de Gusmão.

Para não estender-me muito, lançarei em outro post uma série de 40 deveres, estabelecido como um Código de Ética do Estudante, escrito pelo grande intelectual brasileiro, Plínio Salgado. Desde já, esclareço aos leitores que minha posição política não é, nem nunca foi integralista, apenas creio, que estes deveres tão bem escritos, podem servir de grande impulso para uma melhor formação de nossa mocidade estudantil.